Mais de 8,5 milhões de empresários são registrados como MEI no Brasil

Há pouco mais de 10 anos era dado início à lei que cria o microempreendedor individual, que atualmente mais conhecido como MEI.

ANÚNCIO

Visando a regulamentação de trabalhadores que, muitas vezes, se submetiam a condições irregulares de trabalho, a alternativa se apresentou como uma boa solução.

Hoje, em 2019, já são registrados cerca de 8,5 milhões de profissionais adeptos ao micro empreendedorismo individual. O número indica uma maior quantidade de profissionais que trabalham em segurança jurídica, com seus devidos benefícios sociais.

ANÚNCIO
Fonte: reprodução/internet

Por aqui, nós vamos falar mais sobre o MEI e os requisitos necessários para formalização, além de outras informações pertinentes.

Alternativa prática e eficaz

No dia 1º de julho de 2009, a Lei Complementar 128 entrou em vigência. Com essa determinação, a figura jurídica do microempreendedor individual passou a ser regulamentada, com suporte de benefícios à categoria.

ANÚNCIO

A quantidade de trabalhadores que optaram pela formalização é impressionante. Um exemplo disso, é o estado de Minas Gerais, onde mais de 60% dos pequenos negócios pertencem ao MEI.

Isso significa que quem anteriormente trabalhava de forma autônoma e sem suporte algum do governo, passa a ser respaldado.

Através de uma contribuição mensal, a DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), é possível ter acesso aos direitos de aposentadoria, salário-maternidade, pensão por morte para a família e auxílio em casos de doença.

Laurana Viana, que é uma das analistas do Sebrae, afirma:

“A criação do MEI trouxe diversos benefícios como formalização, simplificação do processo de abertura de empresa, estabelecimento de um valor fixo para imposto e contribuição previdenciária, acesso a crédito e emissão de notas fiscais.”

O que fazer para ser tornar MEI?

Existem algumas condições estabelecidas pela lei para poder regulamentar as suas atividades profissionais na categoria MEI. Entre elas, está o teto de faturamento anual, que é de até 81 mil reais.

Além disso, não é permitido contar com nenhum sócio e, se não trabalhar sozinho, apenas um funcionário poderá ser registrado. Uma outra regra importante é a de ocupações que são permitidas por Lei, que devem ser selecionadas no momento da inscrição.

O cadastro para se tornar MEI é bem fácil e rápido, em no máximo 15 minutos você consegue abrir sua microempresa através do Portal do Empreendedor - MEI. Para isso, clique aqui e seja redirecionado.

Benefícios disponibilizados

Além dos benefícios trabalhistas, as taxas empresariais direcionadas MEI são diferenciadas. O pagamento de tributos federais como Cofins, IPI, CSLL, Imposto de Renda e PIS não são necessários para os MEIs.

A única despesa, é o pagamento do Simples Nacional, que deverá ser realizada mensalmente. Para comércio e indústria, a taxa pode variar de R$ 49,90 a R$ 50,90. Mas, se o caso for prestação de serviço, o valor a ser pago é de R$ 54,90.

Para as duas modalidades juntas, o preço da DAS é R$ 55,90. O diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick, comenta:

“O MEI é desburocratizado e muito simples de montar; dispensa intermediações e tem uma legislação e um dia a dia muito simplificado. É um pagamento por mês e, na medida que vai se tornando conhecido, o poder público vai dando um tratamento mais adequado.”