Grendene registra queda significativa na receita líquida

Por mais improvável que pareça, a empresa considerada como maior fabricante mundial de sandálias está no Brasil. Em 1979, os irmãos Alexandre e Pedro Grendene Bartelle produziram o primeiro calçado da companhia que viria a ter o mesmo nome que eles carregavam.

ANÚNCIO

Por muito tempo, a empresa foi considerada líder na exportação de calçados. Porém, como tudo no mundo da economia é instável, o primeiro semestre de 2019 não foi muito positivo para a marca. Na apuração do desempenho para o período, foram registradas uma série de quedas nos números da empresa.

Isso tem relação com algumas das decisões tomadas pelos administradores da empresa e medidas já estão sendo tomadas na tentativa de reverter esse quadro que pode ser preocupante, caso o problema persista.

ANÚNCIO
Fonte: reprodução/internet

Dados do começo do ano são bem negativos

O desempenho do primeiro semestre de 2019 foi anunciado nesta semana, dia 01, pela Grendene. Na análise, é possível observar que o lucro líquido acumulado foi de 118 milhões de reais. A margem percentual gerada foi de 14,3%, o que montou um caixa de 336,1 milhões de reais.

Fora esses dados, a empresa foi capaz de tornar menos evidente a queda na quantidade de sapatos no acumulado de janeiro a junho, para 20,1%. No primeiro trimestre, esse percentual apontava para 29,5%. Também fica evidente uma redução, quando comparado o resultado ao mesmo período em 2018.

ANÚNCIO

Agora, analisando de uma maneira mais geral, a queda da empresa fica ainda mais clara. Em 2018, nos seis meses iniciais, a receita líquida foi 17% maior do que a atual. Além disso, neste ano também houve a queda do lucro líquido, que está 46,8% menor, e do EBIT que estacionou em R$ 43,6 milhões.

A queda percentual deste último indicador é a mais assustadora, afinal, o decremento foi de 76,1%. Apesar da chamativa redução, os números continuam sendo considerados consistentes pela companhia. É o que diz Francisco Schmitt, que é o chefe de finanças da Grendene.

“O baixo volume de produção e a consequente baixa utilização da capacidade instalada continuaram afetando as margens. Além disso, alguns eventos não recorrentes também contribuíram para queda do resultado neste período, mas ainda assim, os resultados são muito positivos para o setor onde atuamos.”

Grendene aposta em inovação nas vendas

Nas ações de planejamento, foi muito importante para a companhia o desenvolvimento de suas marcas e a boa comunicação com o mercado, de modo que reforçasse o relacionamento com o trade. Portanto, insistentemente, a empresa visa ampliar as operações em mercados estrangeiros através de lojas exclusivas.

Para esse objetivo, as vendas online ficaram em destaque. O avanço para essa modalidade foi de mais dois dígitos na receita da Grendene. Para monitorar melhor as oportunidades que surgem pela transformação digital, a companhia criou um setor de gestão exclusivo para isso.

Um exemplo dessas oportunidades que vão surgindo é a mudança na maneira como as empresas se relacionam com seus clientes. Hoje em dia, é bem mais comum estabelecer um contato através das redes sociais ou canais móveis. Essa é uma das características que ajudou a empresa a ter ao menos alguns bons números.

“O consumo de calçados de fato caiu no primeiro trimestre deste ano. Mas, nossa avaliação, apresentou estabilidade ou leve recuperação de abril a junho, quando o sell-out foi maior que o sell-in, o que ajudou varejistas reduzirem estoques que estavam muito altos no início do ano. Nossa expectativa é um segundo semestre melhor que o mesmo período do ano passado."